Os “Maranhãos” do Maranhão*