Não é nada fácil ser um “José”*