A irracionalidade humana não tem limites*