setembro

Mês: setembro 2015

27 de setembro de 2015

Vulnerabilidades Induzidas no Maranhão.*

José Lemos De um ponto de vista amplo, vulnerabilidade significa a inabilidade de um sistema se contrapor aos efeitos de um ambiente hostil. Expressa a dificuldade desse sistema em reagir, satisfatoriamente, à multidimensionalidade ou à sinergia de fatores que, combinados com forças encontradas no meio ambiente, produzem desastres. Vulnerabilidade associada a uma pessoa pode dizer respeito a alguém sem vigor […]
20 de setembro de 2015

Todos os Maranhenses por uma Causa Justa*

José Lemos Nesta semana nós maranhenses recebemos uma informação de grande utilidade principalmente para um grupo de aproximadamente um milhão de conterrâneos que sobrevivem em quinze municípios situados no leste do estado. O ex-governador, e atual Deputado José Reinaldo, nos comunicaram em seu texto semanal do Jornal Pequeno que tentará reunir toda a bancada federal maranhense no intuito de fazer […]
16 de setembro de 2015

HORA DE LUTAR

José Reinaldo Carneiro Tavares* O professor José Lemos, maranhense de Bequimão, um inquieto estudioso das condições sociais da população brasileira e, principalmente nordestina, tem dado uma grande contribuição ao conhecimento da realidade maranhense. Uma das inconformidades que levanta deriva do fato de que as autoridades atuais do país cometem uma enorme injustiça com uma parte considerável da população maranhense, colaborando […]
12 de setembro de 2015

Maranhão que é Órfão.*

José Lemos Nesta semana estive novamente visitando o interior do Maranhão num trabalho de pesquisa em que estou apenas como observador, buscando informações para conhecer mais e para o projeto do livro que pretendo escrever em breve acerca do meu estado. Posso dizer que o trabalho me tem acrescido bastante acerca da realidade dolorosa e dramática do nosso estado, tal […]
5 de setembro de 2015

“Nunca Antes Nesse (sic) País”

José Lemos* Essa turma que está no poder há mais de 12 anos, com a minha ajuda lá no começo (Ah se arrependimento matasse!), conseguiu o que parecia impossível: desajustar tudo o que havíamos consertado com grande sacrifício, sobretudo da população que eles dizem ser protetores: os mais pobres. Nunca se viu neste País uma sequencia tão grande de incompetências […]